ALERGIA

0

Luzimar Teixeira e Clóvis Sousa

ALERGIA (PÓ DOMICILIAR, ÁCAROS e FUNGOS DO AR)

A asma e a rinite, as mais freqüentes alergias, atingem 10% da população mundial. Entre nós os alérgenos mais importantes e desencadeadores de crises são a poeira domiciliar, os ácaros e os fungos do ar.

O seu custo é representado em milhões de horas de faltas ao trabalho e à escola, pelo sofrimento pessoal e familiar representado pelas crises de asma e o pelo desconforto provocado pelas crises de rinite alérgica.

PÓ DOMICILIAR

Em casa e no trabalho as pessoas são expostas a diferentes níveis de alérgenos (pó domiciliar, ácaros domésticos, fungos do ar) responsáveis pelo desencadeamento das crises. As bactérias gram-negativas, os aeropoluentes e os vírus parecem amplificar a resposta TH2, aumentado os níveis de IgE e eosinófilos, ou seja, ajudam a agravar as crises de alergia.

Os lipopolissacarídeos (LPS), componentes da membrana externa das bactérias gram-negativas são responsáveis pelas manifestações tóxicas nas infecções graves e nos processos inflamatórios generalizados.

Vários estudos mostraram que a inalação LPS por asmáticos induz a obstrução brônquica. Parece que os níveis de endotoxinas na poeira doméstica e não os alérgenos são os responsáveis pela gravidade das crises de asma.

A exposição da endoxina agrava o processo inflamatório já existente nos asmáticos e aumenta a produção de citocinas inflamatórias. O somatório de alérgeno com endotoxina determina a gravidade dos sintomas.

ÁCAROS DA POEIRA DOMÉSTICA

Os ácaros da poeira doméstica mais comuns encontrados em nosso meio são da família Pyroglyphidae (Dermatophagoides pteronyssinus e Dermatophagoides farinae) e da família Glycyphagidae (Blomia tropicalis), responsáveis pela sensibilização alérgica.

Os pacientes alérgicos ao Dermatophagoides pteronyssinus também apresentam teste positivo ao Dermatophagoides farinae, e indicam o alto grau de reação cruzada, ou seja, os alérgenos desses ácaros são similares entre si.

Os pacientes alérgicos a Blomia tropicalis apresentam alta reação cruzada com o Lepidoglyphus destructor (não encontrado no Brasil) e mínima ou ausente com o D. Pteronyssinus. Para efeitos práticos, não existe reação cruzada entre os alérgenos dos ácaros da família Pyroglyphidae e os da Glycyphagidae.

FUNGOS DO AR

Os fungos, microorganismos pertencentes ao reino vegetal, apresentam milhares de espécies e são encontrados em todos os habitats. Os fungos do ar, também chamados de “mofo” ou “bolor”, gostam de umidade e de temperatura alta e crescem melhor em lugar sombreados, tanto no interior de nossas residências como fora delas. Os mais importantes em provocar alergia são a Alternaria, o Aspergillus, o Cladosporium e o Penicilium.

A Alternaria e o Cladosporium são mais encontrados em ambientes externos (zona rural, locais de temperatura elevada, zona costeira), enquanto o Aspergilus e o Penicilium são predominantes no interior de nossas residências, principalmente em lugares úmidos (quartos sem ventilação, cortinas de banheiro,

dependências úmidas…). A população de fungos do ar varia de região para região e de acordo com a época do ano. A inalação de esporos e partículas dos fungos do ar pode provocar alergias tanto do tipo I (imediato) como do tipo III (retardado), como asma, rinite, alveolites… Os fungos do ar pro vocam mais alergias respiratórias, enquanto outros tipos de fungos causam infecções (micoses). O tamanho dos esporos dos fungos varia de 1-100µ (média 7-12µ). As crises de asmas provocadas por fungos do ar variam entre 5-10% dos casos da doença.

Categories: Asma e Alergias

Leave A Reply


*