Atividade Física para Artrite Psoriásica

0

Diego Roger

http://www.calp.unifesp.br/biossintetase/imagens/unifesp.gif
Símbolo da Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo- UNIFESP


Introdução: Artrite Psoriásica (APS), trata-se de uma doença articular inflamatória que acomete 3% a 30% dos pacientes com psoríase. Pertencente ao grupo heterogêneo das espondiloartrites que são caracterizadas por dor axial inflamatória associada à artrite predominantemente em grandes articulações de membros inferiores e entesopatias periféricas, além de achados radiológicos (sacroiliíte) e laboratoriais (soronegativa para o fator reumatoide). Objetivos: avaliar a eficácia do treinamento resistido na melhora da força, da qualidade de vida, da capacidade funcional e da atividade da doença em pacientes com APS. Materiais e métodos: Estudo controlado, randomizado com avaliador cego, onde serão avaliados 65 pacientes com APS divididos em dois grupos, intervenção e controle. População: Serão incluídos no estudo pacientes com diagnóstico confirmado de APS  com idade entre18 e 60 anos. Os pacientes do grupo intervenção realizarão exercícios resistidos para grupos musculares de membros superiores, membros inferiores e tronco. Para membros inferiores, serão utilizados para o treinamento, maquinas denominadas cadeira extensora-flexora e cadeira adutora-abdutora, para membros superiores serão utilizados, uma máquina de tríceps pulley e puxada frontal e halteres manuais. Para tronco, serão realizados exercícios no solo.. O treinamento será realizado 2 vezes por semana com duração de 60 minutos por sessão durante 12 semanas. O grupo controle ficará na lista de espera e será convidado a participar do programa após as 12 semanas de acompanhamento do estudo. Instrumentos de medidas: Força, através do teste de 1RM. Capacidade funcional: a)Pelo BASFI (The Bath Ankylosing Spondylitis Functional Index). b)HAQ-S: Health Assessment Questionnaire modificado para pacientes com EA na versão validada para a populacao brasileira. Atividade da doença: BASDAI (The Bath Ankylosing Spondylitis Disease Activity Index) b) DAS 28: (Disease Activity Score 28). Qualidade de vida: Será utilizado o SF-36 Short Form Health Survey.Análise estatística: Será utilizado o software SPSS versão 15.0 (Chicago, IL) para realizar a análise estatística dos dados. A estatística descritiva (média, desvio-padrão, intervalo de confiança 95%) será utilizada para a caracterização dos pacientes nos grupos. As variáveis contínuas iniciais dos 2 grupos serão comparadas através do test t-student (para variáveis com distribuição normal) e do teste de Mann-Whitney (para variáveis com distribuição não considerada normal). As variáveis categóricas serão avaliadas através do teste qui-quadrado. Para avaliar a resposta à intervenção será utilizada a análise de intenção de tratar (intention-to-treat). A análise de variância (ANOVA) com medidas repetidas será utilizada para avaliar a resposta ao tratamento intergrupo e intragrupo ao longo do tempo. O nível de significância estatística adotado será de 5%.

Os resultados finais e conclusão deste breve resumo vocês terão acesso em breve, este assunto instigante e escasso na literatura é o foco da dissertação de mestrado do professor Diego Roger pela Universidade Federal de São Paulo- UNIFESP, atuante na área de Ciências aplicada à Reumatologia, sob Orientação do Dr. Jamil Natour

Categories: Reumatologia

Leave A Reply


*