Gravidez e Exercício

0

Milena Dutra e Luzimar Teixeira


 

http://www.blogdicas.com.br/fotos/2009/07/conheca-alguns-bons-exercicios-que-sao-aconselhavel-para-as-gestantes.jpg
Gestante sentada no chão com os membros inferiores em abdução em posição de alongamento da musculatura adutora da coxa

ALTERAÇÕES PROVOCADAS PELA GRAVIDEZ NO APARELHO LOCOMOTOR

Praticamente todas as mulheres grávidas experimentam algum desconforto musculoesquelético durante a gravidez. Estima-se que cerca de 25% delas apresentem ao menos sintomas temporários.

As mulheres grávidas apresentam um risco aumentado de queixas musculoesqueléticas, principalmente lombalgia. A mudança do centro de gravidade, a rotação anterior da pelve, o aumento da lordose lombar e o aumento da elasticidade ligamentar são os principais responsáveis pelos sintomas. Já foi demonstrado que um programa de exercícios executado três vezes por semana durante a segunda metade da gravidez parece colaborar na redução da intensidade das dores lombares, aumentando também a flexibilidade da coluna.

EXERCÍCIO NA GRAVIDEZ

As mulheres sedentárias apresentam um considerável declínio do condicionamento físico durante a gravidez. Além disto, a falta de atividade física regular é um dos fatores associados a uma susceptibilidade maior a doenças durante e após a gestação.

Há um consenso geral na literatura científica de que a manutenção de exercícios de intensidade moderada durante uma gravidez não-complicada proporciona inúmeros benefícios para a saúde da mulher.

Apesar de ainda existirem poucos estudos nesta área, exercícios resistidos de intensidade leve a moderada podem promover melhora na resistência e flexibilidade muscular, sem aumento no risco de lesões, complicações na gestação ou relativas ao peso do feto ao nascer. Conseqüentemente, a mulher passa a suportar melhor o aumento de peso e atenua as alterações posturais decorrentes desse período.

A atividade física aeróbia auxilia de forma significativa no controle do peso e na manutenção do condicionamento, além de reduzir riscos de diabetes gestacional, condição que afeta 5% das gestantes. A ativação dos grandes grupos musculares propicia uma melhor utilização da glicose e aumenta simultaneamente a sensibilidade à insulina.

Os estudos também mostram que a manutenção da prática regular de exercícios físicos ou esporte apresenta fatores protetores sobre a saúde mental e emocional da mulher durante e depois da gravidez. Além disso, existem dados sugestivos de que a prática de exercício físico durante a gravidez exerce proteção contra a depressão puerperal.

Na literatura há alguns estudos envolvendo exercícios para a musculatura pélvica durante a gravidez. Eles são unânimes em afirmar os benefícios deste tipo específico de exercício como forma de prevenção à incontinência urinária associada à gravidez.

RISCOS PARA O FETO

A prática de exercícios acarreta riscos potenciais para o feto em situações em que a intensidade do exercício seja muito alta, criando um estado de hipóxia para o feto, em situações em que haja risco de trauma abdominal e em situações de hipertermia da gestante. Esses fatores podem gerar estresse fetal, restrição de crescimento intra-uterino e prematuridado.

Há algumas evidências de que a participação em exercícios de intensidade moderada ao longo da gravidez possa aumentar o peso do bebê ao nascer, enquanto que exercícios mais intensos e com grande freqüência, mantidos por longos períodos da gravidez, possam resultar em crianças com baixo peso.

Alguns estudos experimentais com animais demonstraram que temperaturas corporais acima de 39°C podem resultar em defeitos de fechamento do tubo neural, que deve ocorrer normalmente por volta do 25o dia após a concepção. Embora esse risco não tenha sido confirmado em humanos, sugere-se evitar sempre situações que resultem em hipertermia materna durante o primeiro trimestre de gravidez.

Durante o período de amamentação, desde que a ingesta calórica e hídrica da mãe se mantenha normal, os exercícios leves a moderados não afetam a quantidade ou a composição do leite, e por isso não exercem qualquer impacto sobre o crescimento do lactente.

CONTRA-INDICAÇÕES DE EXERCÍCIO DURANTE A GRAVIDEZ

O exercício regular é contra-indicado em mulheres com as seguintes complicações:

Contra-indicações absolutas

Doença miocárdica descompensada

Insuficiência cardíaca congestiva

Tromboflebite

Embolia pulmonar recente

Doença infecciosa aguda

Risco de parto prematuro

Sangramento uterino

Isoimunização grave

Doença hipertensiva descompensada

Suspeita de estresse fetal

Paciente sem acompanhamento pré-natal

Contra-indicações relativas

Hipertensão essencial

Anemia

Doenças tireoidianas

Diabetes mellitus descompensado

Obesidade mórbida

Histórico de sedentarismo extremo

PRESCRIÇÃO DOS EXERCÍCIOS

Todas as mulheres que não apresentam contra-indicações devem ser incentivadas a realizar atividades aeróbias, de resistência muscular e alongamento. As mulheres devem escolher atividades que apresentem pouco risco de perda de equilíbrio e de traumas. O trauma direto ao feto é raro, mas é prudente evitar esportes de contato ou com alto risco de colisão.

Deve-se tomar o cuidado de não se exercitar vigorosamente em climas muito quentes e de prover a hidratação adequada, de modo a não prejudicar a termorregulação da mãe.

Com base em pesquisas na área de exercício e gravidez, o Sports Medicine Australia elaborou as seguintes recomendações:

  • Em grávidas já ativas, manter os mesmos exercícios realizados anteriormente, sejam estes exercícios aeróbios ou anaeróbicos, em menor intensidade, sendo moderada durante a gravidez;
  • Não realizar troca de modalidade de exercício, não é aconselhável adaptações, é contra indicado também exercícios com impacto, como corrida, saltos, e muito contato físico, basqueteball, voley, tenis, dentre outros.
  • Exercitar-se três a quatro vezes por semana por 20 a 30 minutos. Em atletas é possível exercitar-se em intensidade mais alta com segurança;
  • Os exercícios resistidos também devem ser moderados. Evitar as contrações isométricas máximas para não elevar a PA
  • Introduza em seu treino exercícios para mobilidade de quadril e períneo
  • Elabore a zona de treinamento para sua aluna, grávida apresenta FC elevada de base, exercícios até 140bpm se tornou mito.
  • Evitar exercícios na posição supina por mais de 3 minutos, pela compressão da veia cava
  • Evitar exercícios em ambientes quentes e piscinas muito aquecidas; pois o feto não consegue dissipar o calor
  • Desde que se consuma uma quantidade adequada de calorias, exercício e amamentação são compatíveis;
  • Interromper imediatamente a prática esportiva se surgirem sintomas como dor abdominal, cólicas, sangramento vaginal, tontura, náusea ou vômito, palpitações e distúrbios visuais;
  • Não existe nenhum tipo específico de exercício que deva ser recomendado durante a gravidez. A grávida que já se exercita deve manter a prática da mesma atividade física que executava antes da gravidez, desde que os cuidados acima sejam respeitados.

Referência Bibliográfica:

(Lima, F. Ambulatório de Medicina Esportiva da Disciplina de Reumatologia HC-FMUSP)

Vejam este vídeo:

Categories: Gravidez

Leave A Reply


*